domingo, 24 de março de 2013

O Tempo Passa

Eu gosto de retrospectivas. É impressionante o quanto a gente pode aprender se olhar pra trás e analisar o que aconteceu, por que aconteceu e como aconteceu.

Hoje, oficialmente, faz 7 meses que eu saí do Brasil. Amanhã, fará 7 meses que eu coloquei meus pés pela primeira vez em solo holandês. É difícil aceitar que, pela primeira vez, eu tenho mais meses aqui do que meses por vir. É como se começasse a perder o encanto, porque sei que é finito, por mais que o natural seja o contrário acontecer: exatamente por perceber que é finito, aproveita-se mais.

O saldo de 7 meses é, naturalmente, muito positivo. Posso dizer que não só acertei da minha escolha de país, mas de curso, de vida. Eu nunca estive tão certo e, ao mesmo tempo, tão despretensioso. Os Países Baixos (nome correto do país, ao invés de Holanda, que é apenas uma região, mas que é muito mais prático de usar e, por isso, continuarei usando :P) hoje é uma verdadeira casa para mim.

Toda vez que viajo (e vejam que já viajei bastante: Paris, Londres, Berlim, Lisboa, Viena...), o momento do retorno é mágico: é aquele sentimento de finalmente estar em casa, no seu aconchego. De poder usar o seu dinheiro, na sua moeda de novo (quando é o caso), de ser o seu cartão de transporte, de reconhecer o idioma (pois é, adivinha quem está dando passos cada vez mais largos em holandês?) e ter a terra como sua. De saber perfeitamente em qual esquina virar, mesmo quando você esqueceu de entrar naquele beco 5 minutos atrás.

A Holanda também me trouxe muitos, muitos amigos. Mas não qualquer tipo de amigos, amigos de verdade. Daqueles que você pode contar para beber uma cerveja contigo mas também para contar dos problemas e - por que não - das felicidades da sua vida. Amigos que eu sei que estarão lá, no matter what. E sei, não porque estou deslumbrado com a simpatia dos bons momentos, mas porque já precisei e encontrei, em terras batavas, meus portos seguros.

O tempo passa. E, por mais que a gente não goste, é de fundamental importância que isso aconteça. O tempo passou e eu pude perceber como é singular esse momento que eu estou vivendo agora. E não é só o tempo que passa. A vida passa. A vida vive.

Se passaram 7 meses dessa foto e eu posso dizer que nunca estive tão feliz. Nunca estive tão feliz de ser quem eu sou, estar onde estou e viver do jeito que eu vivo.


Dank je, Nederland.
Obrigado, Holanda.

Um comentário:

Marcos Campos disse...

Muito boa essa sensação, né ? Estar confiante e certo de si !