quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Entre o que você pensa e como você age

Acho que se tem uma coisa que devemos levar em conta em qualquer tipo de relacionamento, é aquele sentimento basal sobre alguém. Como assim? Eu explico: sabe quando você só tá do lado da pessoa, sem trocar uma palavra, sem trocar nenhum gesto, sem nada, apenas a presença (ou seria, então, com tudo)? É aí que você sente a atmosfera real da pessoa, se ela te faz sentir bem, se ela te faz sentir mal.

Em geral, é isso que me faz me apaixonar por uma pessoa. Posso dizer que meus melhores amigos e duas pessoas que já despertaram essa sensação tem essa atmosfera leve, de deixar à vontade, de deixar bem. E isso só se torna mais claro quando a pessoa abre a boca, quando ela age. Enfim, na teoria, é isso que me atrai.

Porém, não é a primeira vez em que eu me deparo com alguém assim, muito legal, muito simpático, muito agradável e que não me desperta esse interesse todo por um motivo: beleza. Ou melhor, a ausência dela. Não que eles (o atual e o de um passado não tão distante) sejam horrorosos. Mas eles não têm aquela beleza que eu considero basal (será que sóbrio meu nível é alto demais?). Sempre penso "Vou ter coragem de apresentar aos meus amigos e lidar com os posteriores olhares/comentários de 'não tinha nada melhor?'".

É o confronto entre como eu penso, como eu acho bonito e como, de fato, eu ajo, tomo minhas atitudes. Tenho a ideia muito clara de o quanto mais nos limitamos em relação a requisitos para conhecer pessoas, mais nós perdemos um bocado de pessoas legais, interessantes e que acrescentariam muito às nossas vidas, talvez não enquanto amantes, mas enquanto amigos.

E se tem uma coisa muito legal que acontece no meio gay com muita frequência e é relativamente raro no meio hétero, é conhecer amigos ficando.

O que me incomoda é isso: por que eu dou tanto valor à personalidade, ao que a pessoa é enquanto ser humano, mas, ao mesmo tempo, não consigo me livrar de uma barreira estética que foi claramente implantada em algum momento da vida, que me dita com quem eu posso ter algo mais ou não?

12 comentários:

Cara Comum disse...

Ah, isso pra mim nunca foi problema. Não gosto de "colecionar" pessoas para "exibí-las". Se agrada a mim, é o que importa.

A pessoa que é considerada "feia" pode ter "n" outras qualidades e, ao meu ver, um único item jamais se compara ao conjunto da obra.

Aliás, se meus amigos me medem pelo que eu tenho ou pelo que conquisto e não pelo que eu sou, eu realmente devo estar precisando de rever minhas companhias, não?

Abraços!!

Lobo disse...

Eu só conheço uma forma de fazer isso: ligar o foda-se.

Depois da primeira vez que você consegue passar por cima disso, as outras se tornam muito mais fáceis.

Beijo Gui!

DMalk disse...

Mano é simples todo mundo é assim, o que muda é o que para você é esteticamente aceitavel, por + que alguem diga que não liga pra isso, o fato do kara "ser bonito" é importante pra todo mundo. O que está se criando é uma falsa cultura do contra, que finge esquecer os valores esteticos e favor da personalidade e inteligência, mas no fundo o maximo que se pode fazer e diminuir seus padrões.

Eu por exemplo dou valor sim a beleza exterior, porem o que é belo para mim não esta exatamente dentro de padrões comuns de beleza, e também pode estar abaixo do "nivel" de beleza aceitavel para você, ai vai variar de cada um.

FOXX disse...

vc não percebeu o q vc disse?
vc nem está incomodado com o fato da pessoa não ser bonita, vc só está incomodado com o que vão falar de vc, se vc vai receber a aprovação dos seus amigos, das pessoas de fora, ou seja, vc quer um relacionamento, um namorado, apenas pra manter um status de gato-pegador-de-bom-gosto com seus amigos? se seu objetivo ao procurar um namorado é apenas exibi-lo como troféu é facilmente explicado porque vc ainda está sozinho, vc ainda tem muito o que amadurecer e, principalmente, muito o que tratar desse complexo de inferioridade...

DPNN disse...

acho que você é jovem e faz sentido ter esse tipo de preocupação. Com o tempo isso passa (espero) e você vai perceber que se preocupar com os outros te levou a fazer um monte de gente bacana sofrer...kkk

O que eu acho que está em questão é que você vê o mundo da ótica do "ficar". Os valores no "ficar" não são os mesmos de um relacionamento.

Raphael Martins disse...

Complexo, hein, Gui...
Mas vc ainda é novinho, pode se dar ao luxo de escolher... rs

railer disse...

cara, muito cuidado pra não cair no ciclo vicioso. conheço gente que nunca para com ninguém porque sempre encontra alguém melhor. te digo uma coisa, sempre vai existir melhor, em termos de beleza. mas e o resto?
tem gente que pode não ter uma beleza esperada, mas quando abre a boca a pessoa se torna linda, pois é inteligente, educada e sabe conversar. valorize isso e não fique preocupado com o que os outros vão achar. se você estiver bem e feliz, quem realmente gosta de você vai estar ao seu lado te apoiando pois é isso que os amigos de verdade fazem.

Diego Rebouças disse...

Mas quem disse que essa barreira foi implantada em algum momento da vida, que ela não continua sendo implantada (ou pelo menos vendida) a cada novo momento? Afinal, esse discurso que você chama de barreira está aí, é capital de algum modo. Você não vai conseguir descartá-lo. Você vai precisar aprender a dialogar com ele.

SG disse...

Sei que é velha a frase, mas beleza não põe pão na mesa.

Verá que o que mais importa não é um rosto bonito.

E, claro, não é crime algum querer alguém bonito.

Fred disse...

É tudo muito relativo... hehehe! Hugz, seu sumidão!

Fred disse...

Momentos de tensão... e tesão... sempre!!! Hahahaha! Valeu, Gui! Hugzzz!

inconstanteblog disse...

Gui, sinceramente? Espero mto que vc mude... Pq não dá para se obrigar a perder interesse em alguém por causa da opinião alheia sobre o quão bela ou fera o outro é. E não que beleza não possa ser um requisito, cada um tem o direito de definir o que quer pra si... mas levar em consideração a opinião dos outros assim acho furada... peço desculpas se aqui abuso no comentário, mas parece insegurança.

Xêro!