segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Um Dia de Fiscal #2

Então, eu esqueci de dizer que, como o post já estava muito grande, eu tive que dividí-lo em dois. A segunda parte é sobre o irônico fato de eu ter sido fiscal no mesmo colégio e na mesma sala em que eu fiz prova exatamente pra UFF.

Enquanto eu subia as escadas estava com tanto sono e preocupado como seria ter que tomar conta de 30 pessoas, distribuir e receber as provas, fazer a desidentificação, apreender os celulares, relógios, lápis etc, que eu nem reparei pra onde estava indo. Quando eu abri a porta na sala e me sentei em um momento rápido de descanso, imediatamente percebi.

Foi uma sensação mega estranha. Lembrei de como eu estava mega tranquilo e completamente consciente de que eu não iria passar pra segunda fase da UFF, embora quisesse, só pra compensar o dinheiro da minha mãe. Foi o ano mais agitado da minha vida, eu estava no 3º ano, com estágio, monografia, terminando o ensino médio e ainda inventei de fazer curso de alemão na UFRJ. Eu não tinha a menor possibilidade de estudar e a base que eu tinha era ridícula comparada aos monstros do pH, Elite e afins.

Fui fazer a prova desmotivado, mas com esperança de pelo menos me divertir fazendo. Sentei lá calmamente, e fui resolvendo as questões que eu sabia, assinalando as possíveis respostas que eu não sabia e em 2 horas de prova eu já tinha feito e refeito 75 questões, incluindo língua estrangeira. Fora o ar-condiconado que estava me dando calafrios e fazendo eu tremer como uma batedeira.Cheguei em casa 12:30 tranquilo, pensando até que talvez fosse possível passar pra 2º fase.

Quando saiu o resultado eu fiquei chocado. Eu tinha feito apenas 2 questões a menos do que o corte de Medicina, o que me dava um resultado absurdamente bom. No listão que fizeram, eu estava em 25º de 800 e poucos que fizeram a 1ª fase. Foi uma surpresa que me deu algum gás para estudar pra 2ª fase, mas cadê tempo? Quando entrei de férias, tive uma semana pra estudar. Estudei todos os dias, o dia inteiro, mas, mesmo assim, não consegui cobrir a matéria toda. Fui dormir tarde, acordei cedo, cansado, nervoso.

Lembro que entrei na sala e comecei a ficar mais nervoso ainda, suando como um corno no mesmo ar-condicionado que na 1ª fase me fez tremer de frio. Era minha única chance de passar pra alguma faculdade federal, eu não podia perdê-la. Eu nem lembro dos fiscais, não lembro se riram da prova dos outros como eu ri, ou se leram. Eu só sei como é ter aquela sensação de "quem poderá me ajudar agora?".

Eu senti uma extrema compaixão quando soube que eles não poderiam usar lápis, porque isso atrapalha muito. Principalmente quem faz matemática, física e química como específicas, uma vez que envolvem cálculos e, no caso da UFF, cálculos com números nem um pouco proporcionais,  como 2,5034 dividino por 103,25. Foi, mais uma vez, uma sensação estranha.

Há dois anos, era eu que estava sentado naquela cadeira, suando e tentando conseguir uma vaga em uma universidade.

Lembrei muito de mim quando eu vi dois deles nervosos conversando e minha companheira fiscal disse: "Calma, gente, é só uma prova". Mentalmente, disse: "Não é só uma prova. É A prova que vai mudar a vida deles, independente do resultado".

Afinal, foi a prova do vestibular que mudou, completamente, a minha vida.

11 comentários:

Dêco disse...

Ainda bem qeu você passou, né? A sensação é tão boa. Quando eu passei no vest eu chorei. Acredita? A sensação de dever cumprido.
Beijos

Arthur Alter L. disse...

Olá!
Passando aqui pra conhecer seu As...
Então é isso mesmo um vestibular ou um concurso muda nossas vidas pra smepre e muito. Eu sei bem o que é isso, também eu já passei por essa experiência.
Enfim, gostei daqui e volto mais vezes.
Abraço

FOXX disse...

a minha foi a do doutorado...

Júlio César Vanelis disse...

Nossa Gui... Vc me fez lembrar da minha vez também... Eu fiz a prova super desmotivado também, nem gosto de lembrar. E foi sorte no meu caso, se eu não tevesse passado de cara, eu não estaria estudando farmácia agora, provavelmente estaria em Arquitetura...

Um beijão amigo... Até o próximo!!!

wonderfulcauseiam disse...

Eu também tive um resultado muito bom no meu vestibular, devo tudo isso ao espírito que baixou em mim no meio da prova e anulou qualquer tensão que pudesse vir a me deixar desconcentrado ou nervoso. O conteúdo eu dominava e meu conhecimento é muito genérico (consigo gostar de Química e Geografia ao mesmo tempo) então foi baba.

SG disse...

É... vestibular...

Bons tempos aqueles...

Um beijão!

Paulo Braccini disse...

Nem gosto de lembrar do sufoco q é a época de vestibular para quem está fazendo ... e olha q no meu tempo era bem mais tranquilo ...

bjão

;-)

Lobo disse...

Depois que eu vi como dentro desses cursos tops tem mais toupeiras desmotivadas e desinteressadas que só fazem esses cursos porque seus pais ricos pagam do que por vontade própria, eu pude ver como dizer que fez um curso top não quer dizer absolutamente nada.

E realmente, não é só uma prova. E sinceramente, não sei se teria pique para embarcar nessa de novo.

Um beijo Gui!

Fred disse...

É... e o pior é que eu já bebi (muito) desse chá... hahahaha! Hugz!

Le Voyeur disse...

sei bem como eh fazer uma primeira fase totalmente tranquilo e sem esperar mta coisa e uma segunda com uma responsabilidade do cao!!!
graças a deus eu so fiz uma segunda fase!!!

bjs do voy

Fred disse...

Ah... mas sempre tem alguém para cozinhar pra gente... hehehe! Ou então basta aprender... hehe!