segunda-feira, 15 de novembro de 2010

#filhadaputice² ou Sobre a Parada Gay

Cara, desculpem minhas ausências nos comentários, mais uma vez, mas estou sempre lendo os blogs, viu?

Então, ontem fui pra parada gay do Rio e posso dizer que estava uma merda. As pessoas bonitas ou fugiram daquele lugar ou estavam acompanhadas (e eu não consegui convencer nenhuma a fugir comigo). Encontrei alguns amigos, parece que um conhecido me viu e contou, ontem mesmo, pra todas as pessoas do meu ensino médio que me viu com um homem e tal (mal sabe ele que foram 2, beijos). 

Detalhe: ele é uma bee mal comida e fofoqueira, mas que tem contato com toda a escola ainda (estudei numa escola bem conhecida aqui no Rio). Não tenho problemas em nego dizer que eu sou gay, mas me incomoda um bando de gente que eu nem conheço ficar sabendo. Fora que não vivemos num mundo cor-de-rosa e se um dia eu precisar de algum homofóbico lá dentro? Será decisivo ele não saber que sou gay. Mas, ossos do ofício. Aí hoje uma pessoa vem e me pergunta que tá 'rolando uma estória' de que eu sou gay. Eu ry, né?

Sendo preconceituoso, a parada gay estava só pra bicha xoxota. Assim, nada contra, mas porque alguns viados precisam parecer mais mulher que do que as próprias mulheres (e nem to falando de sapatão), nem de travestis, que tem que parecer mulheres mesmo)? Não estou falando de ser afeminado (ou afetado, não consigo perceber muito bem a diferença, mas parece que ela existe), porque isso é uma coisa que não dá pra controlar e que não faz a menor diferença, afinal, é só o jeito que a pessoa é. Nego (ou seria nega) com a calça mega apertada, maquiado DESNECESSARIAMENTE (sério, colocar sombra pra que?) etc. E, pior, dando em cima de hetero COM FAMÍLIA, de mão dada com o filho.

Aí depois ninguém sabe porque tem gente que não gosta de viado, né? Porque as pessoas acabam achando que é sem noção por ser viado, quando uma coisa não tá relacionada com a outra. Aí dai surge aquele preconceito filho da puta que a gente não entende. Quando acontece uma coisa dessas, bate a revolta né? Pois o primeiro passo pra acabar com a homofobia é não abusar do status privilegiado que temos na parada gay (porque lá a maior parte é gay ou é friendly, ou seja, somos, por algumas horas, cidadãos). É não fazer putaria na rua (mijar na praia pode, beijos), não dar em cima de hetero assumido (soou engraçado), enfim. 

Então, quando eu acho que eu sou o maior filho da puta do mundo, vejo gente (sua citação finalmente chegou) que tá no meu nível. Encontrei um carinha lá, que "era" HT até pouco tempo e tal, e rola uma paixonite entre a gente. Daí a gente ficou rapidamente e eu com minha promessa de "NA PARADA EU NÃO CASO", falei com ele, com a maior delicadeza que, eu bêbado, pude encontrar. Ele ficou visivelmente chateado e eu, né, peguei um outro e casei (é, desisto disso, perti o timbre de pegação). Aí falo com o dito cujo daí de cima pra conversar com ele e tal, pra ele não ficar sozinho e etc.

Não dá 15 minutos e eles tão se pegando. E eu com a cara de:


Puto? Eu? Que nada. Achei engraçado e bom que eles tenham ficado, pelo menos sozinho meu ex-HT não ficou. Detalhe que os dois que eu peguei foram na frente do cara que eu tinha pegado (e dormido na casa dele, mas como um anjo) semana passada.

Puta? Eu? Que nada.

22 comentários:

Antonio de Castro disse...

enquanto isso eu tava no Estação Botafogo, vendo Minhas Mães e Meu Pai. Depois fui tomar uma cervejinha ali na Voluntários mesmo.

Acho que assim fui mais gay.

railer disse...

a parada do rio é mais uma micareta do que um evento, uma marcha. a grande maioria que vai é pra pegar. quase ninguém se importa com o real motivo do evento. lamentável.

BSvox disse...

A Parada no Rio é esquisita ... Tive a mesma impressão do primeiro paragrafo qdo fui.
Acho q a vista de Copacabana atrapalha um pouco. Risos.

BSvox disse...

Ah, quando as calças apertadas eu me recuso a usar calça feminima, mas a super Skinny masculina da levis é a minha bandeira de prostesto ... uso sempre

Borboletas nos Olhos disse...

Hello, querido. Saudade de você aqui. Seu texto é sempre cativante e tão realista que eu estou achando que não passei o dia na praia e sim na parada gay...será? Bjs

Ricardo Aguieiras disse...

Cara... vim retribuir a vizita sua ao meu blog, mas estou chocado demais com seus preconceitos...olha, você me desculpe, mas nem sei o que falar... você tem certeza que leu , realmente, meu último post, onde critico justamente posturas como as suas, aqui???? Se leu, não entendeu...
Cara, a parada, seja do Rio, de Sampa, de onde for, é política, este é o país que mais mata gays no mundo e você fica me falando em "calça apertada"; "maquiagem"; "sombra" e só criticando, criticando e criticando que nem faz todo heterossexista homofóbico????
Qual é a sua?
Quantos anos você tem? Espero, realmente, que seja imaturidade de sua parte.
Eu luto pela Liberdade Humana, as pessoas vestem o que podem e o que querem, se pintam ou não, o corpo é um Direito inalienável do indivíduo, que você tem a ver como a pessoa veste o corpo dela ou se maquia....???? Cuide do seu e deixe os dos outros em paz!
Pior que homofóbicos, você me desculpe, mas são bichas que dividem o mundo pela moda, grife, roupa ou se á afeminado ou deixa de ser.... sabe o nome que se dá a isso???? Nazismo....
um verdadeiro absurdo!
Nada temos em comum e você nada entendeu do meu texto, nada! Enquanto lá no UOMINI estamos discutindo Teoria Queer, o cara fica preocupado com a roupa que o outro usa, se é feio ou bonito e etc. A troco de que me visitou?????? Para reproduzir preconceitos e injustiças?
Ricardo Aguieiras
Que horror!
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

Júlio César Vanelis disse...

Meu Deus (e olha que nem acredito)... Vc ta virando uma putinha de família amigo, kkkkk
Q bagunça essa sua história, pena que eu não pude ir para ver a confusão!!! kkkkkk

FOXX disse...

olha, eu ia falar exatamente o que o Ricardo Aguieiras disse ai em cima... as pessoas tem q der o direito de sim serem mais mulher q uma mulher, se maquiar, usar a roupa q quiser, e inclusive dar em cima de hétero com família, mulheres hétero tb fazem isso, e as pessoas têm q reconhecer q isso é uma característica das pessoas em si, não do grupo.

Gui disse...

@Esposa: Você é sempre assim, tão gentil e linda?

@Ricardo: Respondi no seu blog, querido.

@Foxx: A diferença é que raramente uma mulher sai roxa ou morta depois de fazer isso.

Dois Perdidos na Noite disse...

Só vi pela TV, mas é sempre bom ler comentários de quem esteve de corpo presente (literalmente...rs) no local.

Acho que os excessos se dão porque ainda é tudo novidade para o público gay, as pessoas estão aprendendo a viver de um modo mais livre, então ainda existe uma postura de querer "chocar" ou transgredir. A tendência é todo mundo ir ficando mais careta com o tempo.

Um abração!

Anônimo disse...

Vc poderia ter olhado pro cara que perguntou se vc era gay e ter dito o seguinte:

- Amigo, quando o cara é pobre ele é viado, quando o cara é classe média ele é gay e quando o cara é rico ele é só um rapaz educado... ;)

SG disse...

Nhonho... nostálgico, isso.

Aiai. Muito complicada essa discussão sobre paradas gays, gays afeminados, preconceitos no nosso meio...

Vou pensar bastante a respeito.

Diego disse...

Eu acho que você foi infeliz em suas colocações. Soou preconceituoso.

Faço minhas as palavras do Railer: pra mim, o problema é que o evento perdeu seu objetivo original. Virou micareta.

Qualquer um tem o direito de ir como quiser. Calça apertada, maquiagem... mas deveria ser para protestar, para se posicionar.

Fabrício disse...

concordo com o rapaz acima, soou preconceituoso o post;
a sociedade nao vai te respeitar mais como gay se deixarem de existir no mundo os 'bicha xoxota', pq o preconceito esta na raiz da sociedade.
Esse pensamento das pessoas contra os gays soh vai mudar qndo acabar o preconceito de gays com gays, ate pq pra mim tds sao bixas iguais, ou dar o rabo e meter em outro cara é mais elegante se o cara fizer carao?axo q naum neh.
curta a vida e esquece das opinioes dos outros, seja feliz e deixe os outros tb serem, cada um da sua maneira e vc vera que aproveitara ela mto melhor. As leis desse pais garantem a liberdade de expressao e cada um usa à sua maneira.
bye

Anônimo disse...

É preciso entender , e principalmente aceitar, que as pessoas se comportam e se expressam de formas variadas. Homo ou hetero, cada um de nós vê o mundo de uma forma muito particular, pessoal. Contudo, isso não impede que tenhamos muitas coisas em comum, além do fato de sermos humanos, e que tenhamos necessidade de compartilhá-las com todos. As paradas gays são um exemplo disso: pessoas que preferem ter relações sexuais e afetivas com pessoas do mesmo sexo, unem-se para celebrar o seu jeito de ser. Se observarmos melhor a natureza, ela é formada por inúmeras espécies de árvores, animais, minerais. O mundo é diverso. Então, não é de se estranhar a variedade de tipos, também, entre os homossexuais. Que bom que é assim. O mundo seria um lugar muito sem graça se todos fossem iguais. O que vou falar agora não deve ser entendido como uma justificativa à essa ou àquela forma de comportamento, mas apenas para reflexão. Se tem gente transando na via pública, travesti dando em cima de heteros, e se estes se sentirem incomodados: polícia neles. E que sejam punidos na justa medida, sem tiros por favor. Mas todos têm o direito de estar ali. O problema é acreditar que apenas o meu jeito de ser, o meu comportamento é o mais certo. Isso acaba por demonizar o outro, polarizando as relações entre as pessoas. De um lado os lindos, malhados, jovens, inteligentes, másculos; de outro as bichas qua qua,qua, travestis, pintosas, as tias. Falando em polaridades, veja que se a travesti exagera nos atributos femininos para se aproximar o máximo possível da imagem da mulher que elas não são (pelos menos por vias naturais); as barbies fazem o mesmo pra se aproximar da imagem do macho hétero que elas também não são. Olhar o outro só pela imagem que ele nos mostra, não revela o todo, só uma parte. O lance tai: não julgar o todo pela parte.Kleber.

Giselle disse...

Assino embaixo do que disse o Ricardo.

Realmente é muito triste ver pessoas "lutando" ela inclusão e tendo esse tipo de pensamento.
É uma inclusão segregada, já que "tudo bem ser gay, mas ser afeminado não pode", "Tudo bem ser gay, mas se travestir pra que?".

Eu disse outro dia no twitter, só tem uma coisa que me irrita mais que homofobia, é gay sendo homofóbico. Triste, feio e... burro.

As pessoas devem ter suas escolhas respeitadas, independente se pareçam ou não com a sua. No documentário sobre a vida do Milk, ícone da luta pela causa LGBT já dizia "Para continuarmos livres, é preciso defender a liberdade do vizinho como se fosse a nossa"
A partir do momento em que você discrimina um gay por ser feio, se vestir mal, ser afeminado ou usar sombra, você não tem moral para pedir respeito por ser gay.

Enfim, parei nesse blog porque um amigo me mandou esse post pra ler. Não te conheço. Então, eu espero, sinceramente, que seja uma opinião irrefletida, que seja culpa da imaturidade e que um dia você consiga se despir de todo esse preconceito idiota e consiga ver no outro ser humano alguém com os mesmos direitos que você tem.

Autor disse...

O post não foi preconceituoso, apenas expôs o seu próprio preconceito que, normalmente, não se admite.
Ficou feio, de verdade, até tendo uma linda citação a mim nele, beijos!

Sobre a parada, discordo de vc. Eu não estava lá pq sou engajado nem pq curto micareta. Mas me diverti muito e encarei o evento assim, como diversão. E todos tem o direito de estar lá e serem como são, sem que sejam apontados.

O que acho bizarro é o que vi nas areias de Copa, com pitboys mandando ver (literalmente) nas travestis, que rebolavam sem se importar com quem estava na orla.
Chocante e feio.
E, como disseram em cima, acho que pra esse caso a polícia realmente deveria intervir, mas não pq eram 'homens' comendo travestis e sim pq se fosse um casal de heteros transando na praia me chocaria do mesmo jeito.
Whatever, o evento não deve ser apontado apenas por questões pontuais.

E me diverti lá com vc, mesmo vc sendo um filho da puta.
E, desculpe-me, não sou filho da puta do seu nível. Vc tem muito que fazer nessa vida ainda pra chegar perto de mim. Beijos.

Autor

Borboletas nos Olhos disse...

Ah, amore, já publiquei o selo..obrigada mais uma vez! Beijocas

Lobo disse...

Bom, beleza é relativa, as pessoas tem o direito de andarem como quiserem, assim como você tem o direito de não gostar da forma que se vestem.

Dar em cima de gente comprometida eu acho realmente desnecessário, mas fora isso, todo mundo no seu direito de ser e estar.

Respeito a diversidade não é um dos objetivos da coisa toda?

Um beijo Gui!

Daniel Braga disse...

Teeeeeenso! Mas enfim.. eu fui na parada... foi horrivel no inicio, mas de noite.. quando a parada terminou e só ficaram as pessoas na praia meu dia deu um salto de 0% à 1000% HAhahaha

~Eu acho que vou me casar, não por um dia, na parada gay. Mas pra vida toda, por causa da parada gay. #TensoDemais.

*DB*

Renato Orlandi disse...

Aaaaah meew! Eu bem que te pegava! haushauhsau.... bjuu!

Ro disse...

Caraca, quanta polêmica nesse seu post..
Enfim, cada um pensa e age de um jeito, ngm é perfeito e ngm age como os outros.. Achei seu post normal, apenas você expressou da maneira q pensa...
Quanto a paradas em já fui nas d SP, e confesso que isso é mais uma farra, micareta, onde rola de tudo, e falam que estão lá para exigir direitos...
E quanto ao krinha que t viu lá e que contou pra os outros, acho esse tipo de conduta extremamente baixo, e muitos tem essa conduta, de falar dos outros, de apontar que sab que fulano é gay, expor a vida dos outros, para que o alvo das zuações, fofócas sejam os outros e nao eles próprios...