sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Let me teach you something

Estava lendo o blog Babado Certo e me deparei com uma postagem super interessante do artigo abaixo:


Nem preciso comentar muito, né?

Tudo o que a gente já sabia. Agora comprovado. Agora um argumento sólido e consistente, ao contrário da putaria que esses crentes filhos da puta acham que nós somos crença de do cristianismo e protestantismo, pelo menos determinadas religiões.

Ser gay não altera, de modo algum, o caráter da pessoa. Ser gay é como ser hetero, who cares? Eu sou tão capaz de criar bem meu filho quando minha mãe me criou e quanto você, hetero, é.

Pra quem não tem noção de estatística, esse estudo é válido, principalmente, porque o espaço amostral dele é bem significativo, uma vez que envolvem mais de 3000 casas de homossexuais - homens e mulheres - que tinham filhos em idade escolar - teoricamente, o momento no qual a criança é mais suscetível à influências externas - e durante mais de 5 - CINCO - anos. Não foi um estudo forjado pelo tão aclamado lobby gay, o destruidor da instituição familiar.

Mais um argumento à favor da adoção gay.

Mais um argumento à favor da causa gay.

Mais um argumento à favor da vida, afinal.

4 comentários:

JC disse...

Pois é cara... Agora o que dizer de um Estado como o Brasil, que se diz laico mas na verdade limita a liberdade de pessoas criarem seus filhos em paz? Que incentiva a opressão aos gays, permitindo que um pastor de merda coloque bem grande em um bando de altdoors que os gays são os responsáveis pela extinção da espécie humana (é isso mesmo gente, parece mentira mas não é)?? Tem alguma coisa realmente errada nessa história toda, e pode ter certeza de que não somos nós...

Gui Sant'Anna disse...

O Silas não merece seriedade, né?

Na verdade ele faz tudo de palhaçada. Sério.

railer disse...

o problema é que muita gente acha que pais gays terão filhos gays. pra essa gente, o melhor é dizer: 'claro, assim como pais héteros só têm filhos héteros' hehe

Gui Sant'Anna disse...

Fato, Railer.

É por isso que a gente nasce assim, porque um de nossos pais são, de alguma maneira, gays...